Renault, a história da marca francesa

A Renault é uma marca francesa que surgiu em 1898 fundada por Louis Renault, jovem na época com apenas 21 anos de idade. Logo após deixar o exército, o jovem Renault, resolveu utilizar a base de um triciclo e na garagem de seu pai construiu o Voiturette A, um carro criado de forma artesanal.

A história da Renault e o início do crescimento da marca francesa

A história da Renault começa com a família principalmente com a iniciativa que os irmãos Renault tiveram na época. Após criar o primeiro carro, os dois irmãos de Louis, Marcel e Fernand, injetaram uma grana na ideia do irmão, então a família Renault começou a produzir carros. Em apenas dois anos de vida, a marca registrou a patente do turbocompressor e do câmbio de tomada direta, além de contar com 110 funcionários.

A fim de tornar a empresa ainda mais conhecida e fazer seu negócio avançar, a Renault, tomou a estratégia de participar de competições automobilísticas tendo um retorno midiático muito bom.

A entrada em competições trouxe muitas vitórias para a Renault que tinha para guiar seus carros: pilotos contratados e os próprios irmãos. A equipe conquistou vários pódios em Ralis. Porém, em 1903, um dos irmãos, o Marcel Renault, sofreu um grave acidente durante uma competição e veio a falecer no rali Paris-Madri.

[metaslider id=276]

Apesar do ocorrido, os irmãos não se retiram nem das competições nem do negócio, mas resolveram contratar pilotos profissionais para conduzir os carros Renault durante as competições e no campo dos negócios dividiram as suas funções, enquanto a marca avançava pela Europa e as Américas.

A marca Renault aos poucos conquistou o mundo. Em 1905 a marca se consolidou como a maior montadora do seu país de origem, a França. Paris e Londres fizeram grandes encomendas de táxi para o grupo. Em pouco tempo, após 1905 já era possível ver os táxis da Renault circulando por Buenos Aires na Argentina e Nova Iorque nos EUA. No começo do século passado, a marca ainda entrou no ramo de fabricação de motores para aviões e em 1909 falecia Fernand Renault, doente. Sobrando somente Louis Renault.

A conquista de outras terras pela Renault continuava. Em 1930 a marca já tinha representações em 49 países espalhados por diversos continentes. Durante a segunda guerra mundial, a Renault decide não entrar na corrida bélica, porém sofre uma intervenção da Alemanha que havia ocupado a França e partir daí passa a produzir caminhões de guerra para os alemães.

1944: O fim de um sonho?

Após a França se livrar dos domínios da Alemanha, o último dos irmãos, Luis Renault, é acusado de ter transformado a sua empresa em “um instrumento do inimigo”. Luis falece devido a complicações médicas, após ter sido preso, encarcerado. Mas, esse não era o fim da Renault, pois o seu espírito continuou e continua a mover gerações.

Foram cinco anos de ocupação estrangeira em território francês, mas a história da Renault continua. Em 1945 a França inicia um projeto de estatização de empresas estratégicas, num período pós-guerra e a Renault passa por essa transformação, sendo denominada após a estatização de Régie Nationale dês Usines Renault (RNUR).

Já em 1955 a Renault passa a acelerar nas exportações de veículos, tornando-se a principal marca francesa. Após a nacionalização da empresa, em apenas 10 anos, a empresa chega a marca de 1 milhão de veículos produzidos no mercado.

A American Motors Corporation (AMC) teve de 1979 a 1987 como a maior acionaria a Renault. Porém, em 1987 a Chrysler adquiriu a AMC. Em 1986 o governo francês se opôs à privatização da marca, porém 10 anos depois foi parcialmente privatizada. Em 1999 a Renault adquiriu uma fatia da Nissan. E em 2002 adquiri uma participação maior, chegando a 44,4%. Depois de um certo período a Nissan retomou 15% da Renault.

No ano de 2001, a Renault volta a Fórmula 1, adquirindo a Benetton, assim fortalecendo a sua marca.

Hoje, apenas 15,7% da empresa pertence ao governo francês. O brasileiro Carlos Ghosn, que era CEO da Nissan assumiu em 2005 a função de chefe executivo da montadora francesa Renault.

Atualmente a Renault tem participação na Samsung Motors da Coréia do Sul, na Dacia da Romênia, Volvo Trucks da Suécia e tem 64,4% da Nissan do Japão, na conhecida aliança Renault-Nissan.

E assim a história da Renault, apesar de todos os acontecimentos ao longo dos anos continua. 😉

4 Comentários
  1. Pingback: Picapes e comerciais leves mais vendidas em junho 2016 | CarroMotors

  2. Pingback: Carros mais vendidos junho 2016 | CarroMotors

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *